sábado, 19 de agosto de 2017

Lula é patrono de turma na Unilab e defende luta contra preconceito

Ex-presidente Lula foi patrono de turma da Unilab, na noite desta sexta-feira (18). No sábado, ele segue para Feira de Santana com a caravana Lula pelo Brasil

Depois de ser homenageado em Cruz das Almas (BA) e ter participado do IV Encontro da Juventude na mesma cidade, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi patrono da segunda turma de Humanidades da Universidade de Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), nesta sexta-feira (18).

O evento fez parte da agenda do ex-presidente na Bahia, com o projeto Lula pelo Brasil. A caravana, que começou na quinta-feira (17), em Salvador (BA).
Lula lembrou que foi o presidente brasileiro que mais visitou países africanos e que foi aquele que mais criou embaixadas no continente africano. “Eu fui em um lugar chamado a Porta do Nunca Mais e pela primeira vez eu me deparei, emocionado, com o destino do povo africano quando passava pela porta do Nunca Mais, muitas vezes com destino ao Brasil”, lembrou.
O ex-presidente disse que se lembrava, então, de como um país como o Brasil que manteve por três séculos a escravidão poderia pagar a dívida com os povos do continente africano.
“Não era só a dívida por conta do trabalho, era por conta do aprendizado da nossa cultura, da nossa cor, do nosso jeito de ser, que tem muito a ver com o povo africano”, disse.
“A gente não pode mensurar em dinheiro. Se Cuba é um país mais pobre e pode fazer isso, por que o Brasil não pode pagar sua dívida levando conhecimento e ajudando o povo africano a ter mais conhecimento e abrindo essa possibilidade?”, questionou o ex-presidente.
O patrono da turma ainda se disse preocupado com o preconceito existente na sociedade brasileira em relação aos negros e africanos. “Hoje eu fico triste de saber que aqui tem gente com preconceito dos benefícios que a gente dá em bolsa de estudo para os africanos. Eu sei que lá em Redenção já tem preconceitos e movimentos contra eles estudarem aqui”, contou.
O ex-presidente ainda reafirmou a importância da criação da Unilab e da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), mas reforçou que há muitos retrocessos em curso. “Nós chegamos a fazer a experiência da universidade à distância, que chegou a ter 900 alunos. Infelizmente sei que agora não existe mais. Levamos a Embrapa para Gana para fazer com que ajudasse a desenvolver a agricultura africana mais do que já é desenvolvido”.
No entanto, para Lula, o Brasil voltou a ser predominantemente um país com complexo de vira-latas. “É todo o governo dependendo se os EUA vai ajudar o não. O Brasil perdeu a grandeza de um pais que tem soberania”.
No entanto, Lula exaltou a luta dos alunos e deixou um recado a todos eles: “vocês negros e negras não devem nenhum favor a esse país. E nem o Brasil está fazendo favor. O Brasil tá pagando as horas, meses, anos e séculos que negros trabalharam aqui até morrer sem ganhar nada”.
Para o ex-presidente, esse é o momento de resistir. “Resistir porque essa integração do Brasil com a América Latina e com a África é uma necessidade do século 21. Não podemos permitir que a China ocupe o continente africano”.
“Eu vou continuar essa briga. Eu só pude aceitar vir aqui ser patrono porque eu precisa dizer que nós temos que enfrentar o preconceito, porque essa não é uma posição política, é uma doença. E nós temos que vencê-los. A gente não vence apenas com discurso, a gente vence com gestos, a atitudes e coisas práticas”.
“Eu levarei no meu coração o dia de hoje. Se eu não tivesse vindo aqui, eu não teria tomado a lição de vida que eu tomei hoje, de ver a emoção, possivelmente a grande maioria sendo a primeira da família a ter o diploma”.
Lula desejou boa sorte a todos os alunos e alunas que retornarão aos seus países de origem. “Aqueles que vão embora, vão prestar serviço ao país de vocês, mas não se esqueçam que o Brasil é uma extensão do continente africano que um dia a geologia separou”.
“Mas agora nossa consciência e alma continua junto. Nós iremos lutar para que não haja nenhum governo que tenha coragem de tirar um único beneficio de um jovem africano que tem para estudar”.

fonte:Por Clarice Cardoso, enviada especial ao Nordeste com a caravana Lula pelo Brasil, para a Agência PT de Notícias
ANUNCIE AQUI LIGUE:  
99433-5589. Acesse Email: xuadoagreste@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário