sábado, 10 de setembro de 2016

“O governo quer abafar a Lava Jato”, diz advogado-geral da União demitido

A revista Veja deste fim de semana estampa em sua capa uma entrevista com o agora ex-advogado-geral da União Fábio Medina Osório, exonerado nesta sexta-feira (9) e a ser substituído pela advogada Grace Maria Fernandes Mendonça. Segundo Fábio, sua saída decorre de sua atuação para punir governistas investigados na Operação Lava Jato. Recorrendo à estratégia de veicular, nas redes sociais, um filmete reproduzindo a publicação, a revista não disponibilizou o material na internet, o que só será feito a partir deste sábado (10).
“O advogado-geral da União diz a Veja que foi demitido porque queria punir aliados do Planalto envolvidos em corrupção na Petrobras”, diz subtítulo registrado logo abaixo da foto de Fábio Medina na capa da revista.
Diferentemente dos demais ministros demitidos na gestão Temer, o advogado-geral da União não sai em decorrência da divulgação de gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado envolvendo denúncias da Lava Jato. Em 23 de junho, Romero Jucá deixou o Ministério do Planejamento e voltou para o Senado em função da publicação de conversas em que ele defende a troca do governo e a construção de um “pacto” para “estancar a sangria” da Lava Jato. Antes de Jucá, em 16 de junho, o então ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, também pediu para sair depois que o seu nome foi denunciado em delação premiada.
Antes de Jucá e Henrique Alves, em 30 de maio, o então ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira, deixar o cargo após a divulgação do mesmo conjunto de áudios feito por Sérgio Machado com investigados da Lava Jato. Fabiano figura em uma das gravações orientando o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o próprio Sérgio Machado a se defenderem na investigação que desvendou um bilionário esquema de corrupção na Petrobras. (Continuar lendo…)

Nenhum comentário:

Postar um comentário